Julho Verde-Escuro aumenta a conscientização sobre a prevenção do câncer ginecológico

Julho Verde-Escuro aumenta a conscientização sobre a prevenção do câncer ginecológico

 

Com o objetivo de conscientizar sobre o câncer ginecológico, a Campanha Julho Verde-Escuro chama a atenção para a importância dos exames preventivos e do diagnóstico precoce da doença. Apesar da alta incidência no país, esses tumores podem diminuir drasticamente se a população seguir as medidas de prevenção.

Os cânceres ginecológicos são aqueles que afetam um ou mais órgãos do sistema reprodutor feminino. As ocorrências mais frequentes desse tipo de câncer no Brasil são tumores no colo do útero, no corpo do útero e no ovário. Esses tumores estão na lista do Ministério da Saúde entre os dez mais recorrentes em mulheres no país, destaca o chefe do Departamento de Ginecologia Oncológica do Instituto Nacional de Câncer (Inca), Gustavo Guitmann.

“Entre os dez primeiros, em terceiro lugar, nas mulheres, está o câncer de colo do útero, com média de 17 mil casos por ano. Em seguida, em sétimo lugar, vem o corpo do útero, com cerca de 7.800 casos, [segundo] as estatísticas que saíram agora. E o câncer de ovário vem em seguida, com 7.310, isso em termos de incidência”, diz Guitmann.

Sintomas como sangramento incomum e corrimento vaginal incomum devem ser investigados. A mulher também deve ficar atenta se houver casos anteriores de câncer ginecológico na família. Em todas as situações, a prevenção envolve exames periódicos.

A servidora Patrícia Lins foi diagnosticada com um tumor no corpo do útero – Quadro/TV Brasil

A servidora Patrícia Lins tinha o casamento marcado quando descobriu um tumor no endométrio, no corpo do útero. Ela até suspendeu a festa por causa da doença. Após analisar as alternativas com seus médicos, a solução adotada foi a retirada do órgão.

“Dizer que não me afetou em nada seria um eufemismo. Imaginar que hoje eu nunca teria um filho biológico foi um pouco perturbador”, diz ela. “Mas não foi apenas uma decisão minha. Então, em algum momento, conversei com meu noivo e disse: ‘olha, você é muito novo, vou deixar você ir’. Eu fui bem honesto, ele disse não de qualquer maneira. Mas, assim, falar que não mexeu é mentira”, lembra.

Ginecologista Leonardo Campbell fala sobre a importância do diagnóstico precoce – Quadro/TV Brasil

Foi exatamente manter a rotina de exames e visitas ao ginecologista em dia que salvou a vida de Patrícia Lins, como destaca o ginecologista Leonardo Campbell. “Ela teve uma alteração. ela tinha um pólipo endometrial que foi descoberto em exame de rotina, uma ultrassonografia transvaginal. E aí ela levantou o sinal de alerta que, pelo tamanho, pelo formato, poderia ser, e aí foi investigado, foi descoberto no começo. Então esse é o objetivo hoje em dia.”

“Antigamente, não muito tempo atrás, 20 anos atrás, 80% dos pacientes com câncer morriam. Hoje, 80% sobrevivem. Isso não foi tanto pela melhora no tratamento, mas mais pelo diagnóstico precoce”, acrescenta Campbell.

A servidora Patrícia Lins destaca a importância da checar Anual. “Quando eu conversava com primos que tinham dois anos e não iam ao médico, sabe, [para] um amigo meu, eu falei ‘amigo deixa eu te falar, você não tem plano de saúde, mas economize, uma vez por ano faça umconfusão‘. Porque eu vou te falar, o preço à vista é muito mais alto do que o preço de um exame se você não tomar cuidado.”

Assista na TV Brasil:

Fonte: Agência Brasil